Nem o pó

Você era meu melhor amigo. Eu confiava em você, você era minha força quando eu estava fraca, você era meu carrocel quando eu queria parar o mundo e descer.

Sonhei com você, não te amo como mulher, você tem a minha palavra. Eu te amo para sempre. Nunca precisei prometer, para saber que seria pra sempre. Te dei tanto de mim e tenho tanto de ti, que você se foi e eu ainda te sinto, tenho as tuas palavras.

Mas sinto falta de ouvir a tua voz, ouvir vc rindo, você brigando, você me amando.

Sei que a vida segue, mas continuo repetindo. Você supria ausencias e agora você aumentou o vazio dentro de mim. Interessante como a minha cura pode trazer tanto dor e agora quem me cura de você.

A vida segue. Confesso que perdi o compasso, confesso que ainda estou sem norte. A pancada foi forte, mas vou firmar meus passos e seguir por essa vida. Pois a queda liberta e você pode me derrubar com o poder que eu te dei, mas levanto, sempre, e sigo. Sou feita de aço.

Não sei teus motivos e não vejo motivos para ter raiva de você por ter decidido não me ter na sua vida, na sua história.

Você pediu que me retirasse, eu sair, bati os pés. Da nossa história não quero nem o pó. faxina-vassoura

Oasis

Gostei de você.  Do seu sorriso, dos teus cabelos, e de me sentir querida e desejada por você.

Gostei de olhar nos teus olhos e sentir o mistério que vi dentro deles. Gostei do teu abraço, do carinho, teu beijo molhado, teu amor calado. Gostei do teu ritmo, do teu sexo. Gostei de sorrir olhando nos teus olhos.

Gostei dos beijos, dados em atrasos ou adiantados já que não esperava por nenhum deles, do carinho e da cumplicidade conquistada em poucos minutos. Aquela tarde, uma virgula, um oásis, uma pausa dessa vida corrida e pude fazer do teu abraço meu ninho, bebi da tua água, me saciei na tua fonte e fui embora. Certa que não teria volta certa de que gostei demais para voltar de passagem, certa que você tinha muita para me oferecer, você me deu muito mais do que eu queria e me vi querendo muito mais do que poderia ter. Vi-me querendo

Aprender

Sempre explosiva essa sou eu. ate hoje, não conseguir frear minha língua. Esse pequeno órgão que consegue destruir corações, sonhos, castiga a alma e o corpo.

Devido ao meu temperamento desenfreado. Apanhei muito quando criança. Sempre dizia  ‘ser forte, chorar é pros fracos’ e isso se tornou uma verdade absoluta por muitos e muitos anos. Com o tempo o coração foi vencendo as barreiras da minha alma e já consigo chorar, as vezes desnecessariamente. Mas continuo a mesma menina atrevida da minha infância. Não consigo digerir uma ofensa, minha vontade é fazer com que a outra pessoa engula suas palavras e são as minhas que irão fazer o serviço.

Apesar de ainda não ter aprendido a “frear minha língua” já aprendi que me magoei muitas vezes por palavras que não deveriam ser ditas e foram, e tive um trabalho do outro mundo pra conseguir modificar o que foi dito e apesar de muitas vezes conseguir remediar o que foi dito, sei que as palavras que eu pronunciei não serão apagadas e de acordo com o tamanho da magoa, essa pessoa irá me ouvir tantas outras vezes e ainda vai doer.

Estou tentando aprender a freia minha língua, tentando não pensar na minha raiva e na minha dor e nem nos meios de fazer com que a outra pessoa sofra. Nada de ironias, palavras dúbias, perguntas carregadas de ofensas. Difícil fazer isso, quem pensa que não, saiba que é. Sou boa em amar as pessoas com sinceridade de coração, mas sou boa também quando quero machucar e existe certo prazer. É como gozar, o prazer é intenso, mas rápido.

Mudar sempre é difícil. Qualidades que eu não tenho

*Paciência (raras as vezes que eu á possuo, mas to conseguindo)

*Controle sobre a minha raiva

*Controle sobre as minhas palavras quando estou com raiva

Tenho que desenvolver esses pontos, pra minha vida ser mais feliz.

Os sete

terminei de ler o Livro “Os sete” de André Vianco. Bom já li diversos livros que envolve vampiros, bruxas e etc. mas nunca tinha me dado a oportunidade de ler um livro brasileiro sobre esse assunto (normalmente lia os livros da Ana Rice), mas me surpreendir com a leitura. Envolvente, nem um pouco cansativa, com fatos novos constantemente, mas sem perder a real história. Suspense em um otimo tom. Um livro que eu gostei de ler. e leria de novo. Mas tenho outros na linhas tenho outros “mundos” para conhecer e sonhar.
Mas quem tiver interesse nesse tipo de literatura eu aconselho.

Nossa sina, nossa sorte. viver.

os dias. faz algum tempo que eles não são mais iguais. e eu vivo um misto de felicidade, ansiedade, cumplicidade. cada vida tem tantos ramificações que impossivel ser plenamnte feliz (?) na verdade eu não sei como alinhar as trocentas parte de mim mesma e me sentir feliz. Na faculdade está tudo terminando como deve ser. em casa, graças a Deus tudo muito legal, minha amiga que está gravida me disse hoje que era uma menina (e finalmente eu vou conhecer a Mel). minha sobrinha ainda não nasceu, mas gosta de dar cada susto na gente. no trabalho tá tudo indo como deve ser, muito trabalho e pouco tempo. o coração horas bate horas a apanha, mas nada fora da normalidade.
a vida, essa montanha russa de sentimentos. que as vezes no espalha e as vezes ajunta. to meio desonerada, nessa mistura. me sinto inteira, porém existem partes de mim que eu não sinto. Parte que eu ainda não sei como solidificar. amadurecendo sempre. nunca podre. sempre um constante amadurecimento, mas quando olho pra eu  mesma posso perceber o quanto verde eu ainda sou.
ah a vida tão bela e tão arredia.

Feliz

alguém chega e pergunta: e aí nane como vai a vida? eu digo, vai bem sempre vai, ela nunca pará meu medo é ela parar de repente e eu não ter tido a oportunidade de conhecer tanta gente. sorri para as pessoas triste e oferecer meu ombro de apoio e meu sorriso. a vida, a vida me surpreende, as vezes penso que tenho tudo, que tenho o mundo e em momentos muito proximos percebo que nem a mim eu tenho. ah, mas tenho sonhos. de morar em uma casa minha, com meu cachorro pequenino que vai dormi do meu ladinho, sonhos de comprar uma casa na serra fazer um sitio e criar galinhas. tenho sonhos… são tantos, mas não tenho ninguém pra sonhar comigo. mas a vida, a vida anda corrida, sofrida, chorosa, cansada, mas feliz! sim, feliz por cada uma dessas coisas, feliz porque apesar de tudo tenho a mim, tenho amigos, familias, muitos irmãos. feliz por saber que a nossa felicidade nem sempre depende da gente, porque convenhamos se dependesse quem iria querer ser triste? a vida, a primeira coisa que nos foi imposta, mas que bom que nos impuseram a vida. muitas pessoas impoem a morte antes mesmo de você nascer. feliz, como disse antes, feliz com a vida. feliz da vida. feliz.

a vida… vai seguindo com rumo ou sem rumo, o rumo dela é seguir junto com as horas, junto com o sol e as rotações e translações da terra. a vida segue. então não perca a vida o tempo, as coisas. pensando que a vida que te impuseram não é bom. ela é boa sim. é só olhar de outro angulo.aquele que você acha dificil de ver. olhe por ele e se admire ou ver que a sua vida também é feliz.